medo de que mesmo?

eu estava lendo numa revista que as pessoas estão sofrendo de um novo medo: o medo de ficar por fora ( ou F.O.M.O., fear of missing out).

a F.O.M.O. ataca principalmente mulheres que são dependentes da internet: aquela pessoa que mesmo trabalhando, levando filho pra escola, fazendo o jantar ou até no banheiro continua plugada nas redes sociais, twitter, face, e não resiste a tentação de falar o que esta se passando naquele momento.

E tambem vai atras de toda nova tecnologia que aparece no mercado.

e tem que tirar foto do prato  que ta comendo, ou da unha que fez, do céu que tá lindo de morrer naquele dia!

mulher faz isso!

e não é sintoma de falta de ocupação: mulher tenta mesmo dar conta de fazer tudo em casa, no trabalho e ficar plugada.

ahhhh como é que voce não tem face? não tuíta? usa o instagram ainda???

pra estas pessoas isso é inadmissivel e estas açoes fazem parte do dia a dia delas, e sem querer exagerar, do ar que respiram.

quem sofre de F.O.M.O. tem sempre a impressão de estar perdendo algum lance. é como se estivesse sempre rolando uma festa para o qual ele não foi convidado.

felizmente isso tem cura: é só ir largando aos poucos, dando menos prioridade ao virtual e mais ao real.

eu gosto de internet, voces sabem. trabalho o dia todo no computador, e o face e os e-mails ficam lá, vou atualizando e respondendo conforme aparecem.

tambem sou blogueira, tenho dois blogs que atualizo sempre, e trabalho com tutoria online.

mas não fico desesperada se nao me logo no face, se nao posto nos blogs, ou se nao acesso os e-mails,  ou se não tuitei ( alias abandonei o twitter pois não consigo me comunicar em 140 caracteres).

percebi a tempo o quanto o face rouba do meu trabalho, da minha postagem nos blogs, da minha vida real e não virtual, e tento dosar bem os minutos passados lá.

na verdade este medo de ficar por fora não me atinge em nenhum nivel, eu não sinto necessidade de ter um celular novo, de comprar um software recem lançado, ou de me vestir como a personagem do seriado da moda.

nem me sinto exluida ao ver postagem de gente em festa se eu passei a noite lendo ou fazendo um colar.

meus medos sao bem outros.

tenho medo do futuro, do carro na esquina, dos filhos voltando tarde da balada.

medo de perder meus pais, medo de ter kanzer, medo do tempo que passa mais rápido do que eu posso vive-lo.

medo da idade chegando, medo de olhar pra tras um dia e me perguntar por que corri tanto.

o medo de ficar por fora não é nada perto de outros medos.

aliás…nos ultimos tempos eu estou tentando ficar por fora de alguns assuntos.

e voce? tem medo de que?

Anúncios

Sobre coisadelilly

mulher, mãe e esposa, workaholic; uma inconformada com a situação mundial; uma pessoa que ama cães, caminhar, ir a liquidações, comer jujubas; viciada em seriados americanos; prendada mas sem tempo de colocar em pratica suas habilidades; desprovida de inveja e más intenções; uma pessoa que adora joaninhas, pink, flores, romantismo, craft, musica; um pé no presente, um no passado, a cabeça no futuro; uma pessoa nada facil; que tenta se livrar do saco de ossos de vidas passadas, que vive o agora; que esqueceu o que não devia e lembra o que não quer; uma pessoa na versão enciclopédica 2.0 que não pode ser resumida.
Esse post foi publicado em Considerações sobre o NADA, eu tenho que comentar!. Bookmark o link permanente.

27 respostas para medo de que mesmo?

  1. patricia disse:

    Concordo totalmente. E olha que eu tiro foto de tudo para postar no Instagram. Beijo!

  2. formaplural disse:

    Tenho medo de não ter história para contar para meus filhos e netos ( espero um dia tê-los!) porque deixei de viver, de viajar, de tomar banho de chuva e cachoeira. Medo de me tornar uma pessoa triste e não conseguir gargalhar alto. Ficar doente tbém me mete bastante medo. Pois é, nessas horas me lembro de Jorge Luis Borges…beijos!

  3. Semíramis disse:

    Fui uma das últimas pessoas que comprou máquina digital,não tenho plano de internet no celular,prefiro uma conversa numa mesa de bar, ou em casa, a uma sala virtual.
    Meu maior medo é ter uma doença incapacitante e não poder cuidar de Carol,fazer minhas artes,cuidar das minhas plantas.Não tenho medo da morte,mas de uma vida sem qualidade.Tenho medo de um dia acordar e perceber que a Lola se foi,ou de o aparelho dela parar durante a noite e eu não acordar(embora o anjo da guarda dela sempre me avise quando tem alguma coisa errada).
    É isso!Bjos!

  4. Ah,eu acho que medo é uma palavra muito forte ! Eu sou do Face ,do Twitter,meu blog que amo.Mas nada que vá interferir nos meu sentimentos. Gosto das redes sociais pelo contato com pessoas que sei que não posso ter no meu cotidiano.
    Sou dessas de postar comida ,gracinhas de filhos e coisas do tipo hihihihi.Mas meus medos também são todos de coisas reais.
    Beijo Lillynda!

  5. Lúcia Soares disse:

    Gostei de tudo o que escreveu. Nunca tive medo de envelhecer, para mim é natural. Tenho medo de doença e de perdas dos que amo. E medo de ser dependente das pessoas.Não quero sê-lo nem físicamente, nem financeiramente.

  6. Iedinha a fofinha disse:

    Um psicoterapeuta, aliás meu guru, me disse que qdo temos “medo de algo”, este ALGO já está acontecendo! Se vc tem essa sensação de medo, ponha na mão do Criador, pois foi Ele quem fez É Ele que irá solucionar!
    Não é de nossa responsabilidade o “livre arbítrio” das pessoas que amamos ou que está temporariamente sobre nossos cuidados (filhos pequenos, pais velhinhos e adoentados, nossos bichinhos). As pessoas tem o livre arbítrio para tornarem-se RESPONSÁVEIS por si, e não ficarem jogando esta nas costas dos outros.
    Não seja “pretensiosa ou presunçosa”, vc é apenas mais um mortal entre BILHOES, um ser simples e único, mas não vai ser o melhor do mundo como pensa: a melhor mãe é a ave que jogar seu filhote do ninho pra voar e viver a vida; o melhor filho foi o q deu menos aborrecimentos, trabalho, foi viver a sua vida e deixou os pais viverem a deles sem o egoísmo do ” é meu…”; o Futuro NÃO EXISTE!! vc o faz no presente, é o q planta hoje, o que vc viveu hoje? o tempo não passa rápido é vc que corre e não vê o que está fazendo. parou pra fazer uma café? curtiu fazer o café, sentiu o aroma, o gosto, o finzinho amargo… Assim é com tudo, TUDO!
    Miga dá pra curtir tudo sim, sem reclamar, só sentir, SINTA, não pense, não deixe a cabeça tresloucada assumir o leme da sua vida, deixe “o sentir assumir”.
    ” A Jornada é que nos traz a felicidade e NÃO o destino” peaceful warrior

    obs. meu antigo e maior medo, era não sair desta vida melhor do que cheguei, achava q bens materiais e conhecimento(cursos e cursos) era o destino, acumular. Mas o vazio permanecia. Não teve carro importado que me preencheu, nem casa da hora, nem cargo do BB. Fui fazer outra jornada e estou cheia, satisfeita, prazeirosa ahhhhhhhh amo muito tudo isso!
    Beijos e felicidades a todos OmShanti

  7. RoPertile disse:

    amei o post!
    utilizando um trocadilho, prefiro ter FOME que FOMO :))
    fome a gente acaba com uma torta de limão!
    bjs

  8. diasadois disse:

    adorei o post… e estou com vc! Precisamos ter equilibrio! É por isso que eu tenho dificuldade de usar outras coisas sem ser o blog e mesmo ele de vez em quando eu dou uma parada… ou a vida real para, não é não?!

    Mil beijos! Tô sempre por aqui, mas pelo cel por isso fico tempo se comentar…

    Beijão

  9. cris disse:

    seu comentario ( ou post?) foi perfeito. concordo com tdo . tirando meus pais que ja não estão mais por aqui, pelo menos não fisicamente< tudo o que voce disse é do que tenho medo. e tenho medo tbm de minhas filhas não encontrarem seu caminho. confio na educação que dei, não é esse o ponto; é que mãe é meio besta mesmo, né, e eu morro de medo delas não serem felizes e realizadas. no mais, martinho da vila ta é muito certo. bjo!

  10. Maria disse:

    Belo post.
    Adoro andar pela net, não dou grande importância ao FB, não estou no twitter, apenas me dedico ao blogue.
    Não deixo de sair e viver a vida lá fora, por causa da dependência da net.
    Medos?
    Do sofrimento, porque tudo o resto é a lei da vida e, o mais que podemos desejar é que os nossos filhos sejam felizes e sigam o seu caminho.E por cá a situação está mal os jovens não têm grandes altenativas. A nossa tarefa é orientá-los e dar-lhes esperança.
    Um beijinho e bom domingo.
    Maria

  11. Kelly disse:

    Lilly excelente post, me perguntar do que tenho medo é loucura, tenho tantos medos…, alguns perderam um pouco a importância por causa das coisas que já vivi, mas o medo de olhar pra traz e ver que algo não valeu a pena e que perdi muito tempo com algo que não merecia me assusta ainda e muito. Excelente domingo, bj

  12. Aninha disse:

    O medo faz parte do ser humano. Acredito que seja a primeira sensação que temos, quado saímos do útero materno. Eu uso bastante a internet mas eu gosto mesmo é de papear olho no olho, sabe… é tão bom!! Meu único medo é o de não estar fazendo o que eu tenho que fazer. Aquela história do: “de onde eu vim, o que eu sou e pra onde eu vou?” Diariamente procuro fazer um balanço para ver onde posso melhorar e ser útil a quem precisa.
    Mesmo tendo medo, o importante é tentar e ir adiante. Desistir, necas!
    Lindo post!
    Bjs.

  13. Cacá Silva disse:

    Nossa Lili tenho os mesmos medos que os seus…

  14. Oiiiiiiii

    Corre lá no blog que tem um sorteio de uma almofada super moderna rolando! Não deixe de participar!

    http://comprandomeuape.blogspot.com.br/

    Boa sorte!
    Bjs

  15. Fatima Andrade disse:

    Oi Lily, sabe, tenho receio da violência urbana, principalmente se tiver que ir ao Banco… evito ao máximo.

  16. Bicha Fêmea disse:

    Oi, Lilly! A reflexão que você trouxe neste post é maravilhosa. Sabe que ontem me peguei pensando no quanto a vida é curta? De repente, tive medo de não viver a vida intensamente. Mas a intensidade a que me refiro nem é fazer zilhões de coisas ao mesmo tempo, mas deixar de fazer as coisas que gosto de verdade, de um jeito simples, sem ceder ao que o mundo me pede e, por isso, ser mais feliz. Tive medo de olhar para trás e constatar que não vivi como gostaria de tê-lo feito. Foi bom, e deu alívio, me perceber pensando nisso ainda jovem. Respirei aliviada por imaginar que, se Deus permitir, tenho muitos anos de vida pela frente, e tudo a minha disposição para ser feliz. =)
    Acho que o fato de estar grávida tem feito com que eu ande reflexiva demais… rsrsrsrsrs…
    Agora, desse medo ai que você falou no post eu não tenho. De jeito nenhum. Tenho Face e Twitter, 2 blogs, mais de um e-mail e por aí vai… mas o tempo que dedico a cada coisa é limitado, porque há vida fora da web. Também passo o dia online porque meus blogs passaram a ser o meu trabalho, e para que isso não tome conta de minha vida, tenho hora para entrar e para sair da internet, e nos finais de semana eu nem ligo a máquina. Acho que é preciso ter equilíbrio em tudo na vida, e é preciso ter cuidado, pois a vida passa e a gente não vive… afff!!! =(

    Beijos,
    Lidi

  17. Joana Campos disse:

    Muito bom o post…. Graças a Deus, eu SOU UMA POR FORA kkkk
    Sério, se não deu apra entrar no face, ou atualizar o blog… que se dane! rs

    beijos

  18. Bem verdade, mais não é só mulher não… acho que é mau de blogueiro!! … a algum tempo atras eu surtei com o blog, fiquei doido com a sensação de cobrança,

    hoje to mais light, e pretendo ficar mais ainda, é horrível esta sensação, ótimo post! 😉

  19. Paula Kasas disse:

    Oi Lilly,
    Gozado…meus medos estão muito parecidos com os seus. Do tempo passando…dos filhos quase independentes…da família de raiz que vai se distanciando…de avião….e muito medo mesmo de pessoas que me emanam más energias e não consigo me blindar.
    Tenho medo do que o Universo pode me devolver, e do bem que deixei de fazer às pessoas.
    O tempo é o hoje…nosso presente, e nossa cabeça precisa estar aqui!.
    Beijos querida, e adoro suas conjecturas.

    Paula Kass

  20. Lorena disse:

    Medo de quê?
    De tanta coisa… mas acho que o maior medo é de ficar só… se deusolivre my husband morrer. Medo de não ter filhos. Medo de descobrir que a vida passou e não fiz tudo que queria e tinha vontade. Medo de não me dedicar as coisas que são realmente importantes (amigos, famílias). Sei lá…

  21. Camila Faria disse:

    Eu gosto do digital, mas não tenho dúvida que o “real” é muito mais divertido e gratificante. Tenho medo de ter pouco tempo para aproveitar tudo que existe de lindo no mundo!

  22. Mara disse:

    Oi Lilly! Não tenho blog mas ando sempre lendo o seu, e hoje me identifiquei muito com o que vocÊ escreveu…hoje tenho medo da vida, pq não estou fazendo o que gostaria de fazer!! Bjão!!!

  23. Cibele Leite disse:

    Eu tenho medo de morrer e não ver meus filhos crescer, medo de perder meus pais, aí credo, tenho medo de tanta coisa. Bjs adorei conhecer seu outro blog.

  24. Adriane Bertoncello disse:

    Pois é… as coisas dentro do curso natural da vida não me preocupam tanto, o que vem subitamente e muda o rumo é o que inicialmente dá medo… certamente é o medo de perder o controle da nossa propria vida… no mais, não tenho twitter, blog e nem muita paciencia de ficar no face…mas viciada em tv…kkkkk bjs

  25. Pingback: Blog Retro 2012 | Isso é coisa de Lilly

  26. Gostei!! Eu tenho medo de baratas, rsrsrsrsrsrs… sou viciada em internet, não ligo para altas tecnologias, mas não sofro se fico o dia todo fora porque estava em um passeio, tbém não fico postando cada passo que dou na vida real… então esse medo não me acomete!!!
    Ontem no FB achei uma nota com relação de fobias em ordem alfabética, fiquei pasma com os medos que atacam as pessoas…
    Grande bj!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s